Clicky

Selecione a cidade
4020-9734

Notícias › Educação


O ensino superior ao redor do mundo

Alguns países estrangeiros têm sistemas de ensino bem diferentes do praticado no Brasil. Saiba mais
Por: Paula Brasileiro 28/04/2017 - 12:20 - Atualizado em: 28/04/2017 - 13:00
Você sabe como outros países ‘vão’ à universidade?
Você sabe como outros países ‘vão’ à universidade?

Você já se perguntou como é cursar uma faculdade no exterior? Como será o sistema de ensino nos demais países? Aproveitamos este Dia Internacional da Educação - celebrado em 28 de abril - e escolhemos alguns países, mundo afora, para tentar entender um pouco como estudam os universitários por lá. Confira.

 

LEIA MAIS
Os cinco países mais felizes do mundo
Você sonha em estudar no exterior? Este sonho pode se tornar realidade

 

Estados Unidos

Para entrar em um curso superior, na América do Norte, o aluno precisa ter um bom histórico escolar - boas notas e a escola na qual se cursou o ensino médio pesam bastante na hora dessa avaliação. A isso soma-se o resultado de um exame chamado SAT, um teste de QI que os alunos realizam ao sair da escola. Diferentemente do que é praticado no Brasil, nos EUA os alunos não entram direto em um curso específico, como Jornalismo ou Arquitetura. Eles cursam primeiro o 'Undergraduate', no qual estudam, durante dois anos, uma variedade de matérias como literatura, ciências e ciências sociais, entre outras, para formar uma base geral de conhecimentos. Em seguida, eles passam para uma universidade ou faculdade para, então, cursar o 'major' na área de atuação escolhida. O 'major' tem o mesmo valor de um bacharelado. A cultura acadêmica americana foca na participação estudantil e no engajamento dos alunos com os temas discutidos em sala de aula. O importante, para os professores de lá, é o envolvimento dos estudantes com o conteúdo da disciplina. Aliado a isso, o sistema oferece bastante flexibilidade para os universitários e eles dispõem de um tempo maior para decidir qual carreira seguirão.

Japão

O Japão tem cerca de 70% de seus jovens matriculados no ensino superior. Para entrar na universidade lá, é preciso se submeter a exames extremamente difíceis que costumam ser um pouco mais fáceis para os estudantes estrangeiros. Os cursos de graduação japoneses duram cerca de quatro anos mas também existem universidades juniores nas quais é possível formar-se em cerca de dois ou três anos com qualificações mais específicas.

Argentina

Na Argentina não é preciso prestar nenhum tipo de exame para entrar na faculdade. Os estudantes que completam o ensino secundário podem se inscrever em qualquer curso nas universidades públicas sem matrículas e sem limite de vagas.

Itália

O sistema de ensino superior italiano segue o mesmo modelo de toda a União Europeia que é dividido em três ciclos. No primeiro, o estudante pode fazer um curso de graduação com duração de três anos, como uma formação básica, ou submeter-se a um ciclo único para cursos que exigem preparo mais específico, como medicina, veterinária e arquitetura, com duração de seis anos. Os segundos e terceiros ciclos correspondem ao mestrado e doutorado, respectivamente, e sua duração vai depender da área escolhida.

África do Sul

A África do SUl possui várias universidades importantes, entre as melhores estão a UCT - Cape Town - localizada na cidade de mesmo nome, e a Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo. Os alunos são admitidos nas faculdades de lá a partir da avaliação de suas qualificações. As opções de graduação incluem os graus comum e bacharelado com distinção e podem durar de três a quatro anos.  

 

Você já pensou em estudar fora do Brasil? Conta pra gente pra qual país você gostaria de ir.

 

Comentários