Clicky

Selecione a cidade
4020-9734

Notícias › Educação


Confira 8 filmes que abordam a inclusão de pessoas com deficiências

Personagens ilustram histórias de amor, respeito e superação
Por: Katarina Bandeira 11/01/2018 - 11:40
Confira 8 filmes que abordam a inclusão de pessoas com deficiências/Freepik
Uma das magias do cinema é conseguir representar diferentes situações para diversos públicos. A representação na tela é importante para que as pessoas consigam enxergar suas realidades, e as de outras pessoas, por outro prisma que não necessariamente o pessoal. Tanto no cinema nacional quanto em produções internacionais podemos encontrar filmes que retratam dramas e conquistas de pessoas com deficiência (PCD). Essas obras ajudam a quebrar tabus sociais ao mostrar que não importa a dificuldade, a inclusão é necessária e fundamental. Para entender mais sobre o tema confira nossa lista de filmes que abordam temáticas de PCDs em suas narrativas:

Extraordinário

Baseado no livro homônimo, o filme conta a história de Auggie Pullman (Jacob Tremblay), um garoto que, aos 10 anos, irá frequentar a escola pela primeira vez. O motivo é que Auggie nasceu com uma deformação facial, consequência da síndrome de Treacher Collings, e durante os primeiros anos de sua infância precisou passar por 27 cirurgias plásticas, o que fez com que sua mãe (Julia Roberts) optasse pela educação em casa. O filme retrata o início da sua convivência com outras crianças, bullying e preconceito de forma leve, mas bastante impactante.
 

A teoria de tudo

Baseado na biografia de Stephen Hawking, importante astrofísico, famoso pelo seu trabalho sobre buracos negros, o filme mostra seus primeiros anos na universidade, as descobertas relacionadas ao seu trabalho e foca em seu primeiro casamento, época que descobriu possuir esclerose lateral amiotrófica, uma doença degenerativa que enfraquece os músculos do corpo.
 

Intocáveis

Após sofrer um grave acidente o aristocrata Philippe (François Cluzet) fica tetraplégico. Por conta de sua condição motora ele precisa contratar um assistente e a vaga acaba com  Driss (Omar Sy), um jovem sem experiência em cuidar de pessoas com necessidades especiais. Durante o desenrolar do enredo Dris aprende a função, de forma um tanto atrapalhada, e Philippe, por sua vez, se afeiçoa ao rapaz por não ser tratado por ele com pena.
 

Hoje eu quero voltar sozinho

O filme é baseado no curta Eu não quero voltar sozinho (e estrelado pelos mesmos atores), o longa conta a história de Leonardo (Ghilherme Lobo), um adolescente com deficiência visual, que tenta levar uma vida comum, apesar de sua mãe superprotetora. Além de tocar em temas como inclusão escolar e social, a obra também aborda a sexualidade na adolescência e a luta pela independência apesar das dificuldades. 
 

 

Simples como amar (trailer em inglês)

Carla Tate (Juliette Lewis) é uma moça de 24 anos, que volta para a casa dos pais após passar anos em uma escola especial. O filme é uma comédia dramática que aborda as relações de superproteção familiar, a necessidade de independência e o romance entre pessoas com limitações intelectuais.
 
The other siter - Simple como amar - Trailler

Colegas

Essa comédia brasileira conta a história de Stallone (Ariel Goldenberg), Aninha (Rita Pook) e Márcio (Breno Viola), que viviam juntos em um instituto para pessoas com Síndrome de Down. Um dia, inspirados pelo filme Thelma & Louise, eles resolvem fugir para realizar o sonho pessoal de cada um. Eles partem do interior de São Paulo rumo a Buenos Aires vivendo aventuras e se metendo em diversas confusões.

 

Uma lição de amor

Sam Dawson (Sean Penn) é um homem com deficiência mental que cria sua filha Lucy (Dakota Fanning) com a ajuda de seus amigos, todos PCDs. A questão do filme é que Sam tem a idade mental equivalente a uma criança de 7 anos e, por conta disso, uma assistente social acredita que ele não pode mais cuidar de Lucy e ela deve ser internada em um orfanato. A partir daí Sam contrata a advogada Rita Harrison (Michelle Pfeiffer) e tenta recuperar a guarda da criança.  
 

 

O filho eterno

Situada nos anos de 1980, o drama conta a história do casal Roberto (Marcos Veras) e Cláudia (Débora Falabella), que aguarda ansiosamente pela chegada de seu primeiro bebê. Porém, a expectativa dá lugar ao medo, negação e insatisfação, esses dois últimos retratados no comportamento paterno, ao descobrirem que o bebê, Fabrício, tem Síndrome de Down. A obra retrata 12 anos da vida da família, sempre contando eventos próximos aos jogos da Copa do Mundo.

 
Gostou da nossa lista? Conta para a gente se você lembra de mais algum filme que promove a inclusão de pessoas com deficiência! 

Comentários