Clicky

Selecione a cidade
4020-9734

Notícias › Educação


Como a Terapia Ocupacional pode ajudar crianças com défict de atenção

Método é uma forma de melhorar o foco dos pequenos e aumentar a integração social
Por: Katarina Bandeira 13/10/2017 - 09:36 - Atualizado em: 13/10/2017 - 09:46
Crianças apresentam sintomas antes dos sete anos de idade. Foto: Pixabay
Crianças apresentam sintomas antes dos sete anos de idade. Foto: Pixabay

Crianças com muita energia sempre acabam sendo destaque nas mais diversas situações. Não importa o local em que estejam, seja na escola ou em casa, seu comportamento agitado muitas vezes acaba sendo motivo de críticas pelos que as cercam. Os próprios pais, e outros adultos que convivem com elas, não conseguem entender que aquele modo irrequieto não é apenas para chamar atenção, ele pode ser indício de uma síndrome séria.

O que é TDAH?

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma síndrome caracterizada por problemas de concentração. Quem a possui geralmente apresenta sinais como distração, agitação, esquecimento, desorganização, hiperatividade, impulsividade, entre outros, que causam dificuldades na absorção e execução de tarefas por vezes tidas como simples. Ela geralmente se manifesta antes dos sete anos de idade da criança, que acaba apresentando uma maior inquietação do que as em idade semelhante, atrapalhando o convívio em ambientes como a casa e a escola.

Um dos maiores problemas dos pequenos diagnosticados com TDAH é a integração em ambientes sociais. Para evitar o uso de medicamentos em idade tão tenra e não excluí-los de espaços comuns, uma alternativa é a inclusão de atividades lúdicas no dia a dia. A Terapia Ocupacional é uma opção de tratamento que oferece recursos tanto nas esferas física, psíquica e social, quanto sensorial, cuidando desse tipo de distúrbio de forma mais inclusiva.

Brincar é o melhor remédio?

Para atenuar os sintomas do TDAH, o terapeuta ocupacional usa atividades recreativas, que estimulam as crianças a utilizarem habilidades artísticas, corporais e que envolvem a criação do próprio conteúdo trabalhado. Essas atividades devem contar com o apoio tanto do núcleo familiar quanto do âmbito escolar, pois elas promovem a organização do indivíduo, ajudam a construir sua independência e estruturar veias emocionais.

Ou seja, é preciso deixá-las brincar. A criança quando brinca consegue criar e recriar situações em que se sente desafiada. Isso faz com que sacie sua curiosidade, desenvolvendo um modo pessoal para vivenciar sentimentos de angústia, insegurança e medo, melhorando não só os sintomas clássicos, mas também a autoestima.

Um trabalho de integração

O atendimento de um terapeuta ocupacional pode ser feito tanto em seu consultório, quanto no ambiente escolar ou à domicílio, podendo ser individual ou em grupo. Porém é necessário que ele seja continuado nos ambientes comuns à criança. Como a falta de atenção pode atrapalhar tarefas fáceis como vestir-se, comer um prato até o final ou prestar atenção em instruções, exercícios de percepção cognitiva são cruciais para ajudar a estabelecer regras e limites para atividades, além de estimular a atenção e a concentração na vida diária. Uma forma de tratar, incluir e não excluir.

 

Você já viu ou já utilizou métodos da terapia ocupacional? Conta para a gente como foi a experiência nos comentários!

 

Comentários