Clicky

Selecione a cidade
4020-9734

Notícias › Educação


Acessibilidade e lazer: Praia sem Barreiras leva pessoas com deficiência e baixa mobilidade à praia

O projeto Praia sem Barreiras, promove o banho de mar assistido para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. Conheça mais um pouco sobre o Praia sem Barreiras.
Por: Paula Brasileiro 19/12/2016 - 11:25 - Atualizado em: 14/09/2017 - 15:28
Projeto Praia sem Barreiras permite que pessoas com deficiência e baixa mobilidade curtam a praia
Projeto Praia sem Barreiras
O projeto Praia Sem Barreiras faz parte de uma das ações do Instituto Ser, que desde 2002 promove ações de inclusão social, cidadania, educação, cultura, esportes e enfrentamento da violência nas regiões que contam com instituições de ensino do Grupo Ser Educacional.
Segundo o coordenador do Instituto, Sérgio Murilo, o objetivo é viabilizar a realização de ações de responsabilidade social do Grupo: "Nós executamos projetos próprios e também estimulamos e apoiamos que os cursos de todas as unidades desenvolvam atividades dentro de um calendário anual".
 
E pensando em promover o bem engajando a comunidade acadêmica e  multiplicando os agentes da solidariedade, que o Praia sem Barreiras é criado, oportunizando à diversas pessoas o retorno do contato com o mar e a praia.
 
De volta ao mar
O Praia Sem Barreiras vem mudando realidades e tocando o coração não só de quem participa dele mas, também, dos voluntários. Desde 2013, a ação promove o banho de mar assistido a idosos, deficientes físicos e pessoas com pouca mobilidade nas praias de Boa Viagem, Candeias, Porto de Galinhas e Tamandaré. Os monitores são alunos da UNINASSAU que, orientados por professores, ajudam os participantes a curtir o mar em cadeiras especiais ou, até mesmo, nos 
próprios braços. 
 
O projeto funciona durante todo o ano, de sexta a domingo, sempre das 8h às 13h. É montada uma estrutura na areia com uma esteira especial, para facilitar o acesso dos usuários, e as cadeiras anfíbias que os leva até o mar. Estas cadeiras possuem braços que funcionam como boias e cintos para não haver o risco de quedas. A coordenadora do projeto,  ngela Morais, explica que para participar basta procurar a tenda do Praia Sem Barreiras nos horários de funcionamento. 
Os benefícios são imensos: "O maior deles é o social, porque tem gente que vem pra cá, as vezes nem é pra tomar banho, é só pra conversar".  ngela garante, também, que o retorno para quem trabalha na ação é imensurável: "Pra gente é uma coisa besta, mas pra eles, tem gente que nunca entrou no mar. Não é só gratificante, mas é um aprendizado. Sempre é muito emocionante". 
 
Os monitores do projeto são estudantes da UNINASSAU, em sua maioria dos cursos de Educação Física, Fisioterapia, Enfermagem e Turismo, mas interessados de outras áreas também podem se voluntariar. Raphael Soares, aluno do sexto período de Fisioterapia, trabalha na ação há um ano. Ele conta que passou a minimizar os problemas desde então e que os ganhos pessoais não podem ser contabilizados: "Você chega aqui triste e sai outra pessoa. Você vê as dificuldades das pessoas mas mesmo assim elas lutam para ficar bem. A gente tenta fazer disso a melhor experiência para eles", diz. Do mesmo curso e semestre, Ronaldo José Ramos também compartilha da opinião do colega e acrescenta que a emoção é diária, como quando levou ao mar um jovem de 33 anos, com problemas neurológicos, que nunca tinha experimentado a água salgada: "Ele não falava, mas só no olhar dele eu via sua felicidade. É um momento ímpar", disse. 
Para os alunos interessados em participar do Praia sem Barreiras basta procurar a coordenação dos cursos da instituição e se inscrever. Todos os voluntários passam por capacitações para poder atender melhor aos usuários.  
 
Banhistas
"Olha como eu estou bronzeada", diz animada Viviane Gode, uma das frequentadoras do Praia Sem Barreiras em Boa Viagem. Aos 34 anos, ela tem limitações motoras e na fala, decorrentes de um atropelamento sofrido na infância. Vivi, como é chamada pelos voluntários, frequenta o projeto há mais de um ano e, além do bronzeado, já conquistou muitas amizades: "Eu gosto de tomar banho de mar, de conversar. Já fiz vários amigos", comemora. Jéssica Pacheco, de 25 anos, também aumentou o círculo social depois do Praia Sem Barreiras e confessa que prefere os dias em que a tenda está com um número maior de pessoas. A jovem participa desde fevereiro deste ano, quando veio do interior da Bahia para o Recife em busca de tratamento para a osteogenese - mais conhecida como "doença dos ossos frágeis" - e se diz muito agradecida pela oportunidade: "Eu morava no interior, não tinha nada lá e hoje eu estou aqui. É uma alegria saber que eu posso vir, tomar um banho de mar e um sol com pessoas pra me ajudar". Ela conta que o tratamento é especial e a diversão garantida : "Os meninos e as meninas aqui são bem legais, são preocupados com a gente. Agora mesmo estavam todos cantando comigo dentro do mar".
 
SERVIÇO:
O quê: Projeto Praia sem Barreiras
Onde: Praias de Boa Viagem, Candeias, Porto de Galinhas e Tamandaré
Quando: Sexta a domingo, das 8h às 13h
Quanto: Gratuito
Para quem: Idosos, pessoas com deficiência e pouca mobilidade
 
 
Confira nosso vídeo e conheça mais sobre o projeto.

Comentários